Efeito Caindo

Efeito Caindo

sábado, 28 de fevereiro de 2015

A Dança das Borboletas - Zé Ramalho e Sepultura


O Homem da voz encantada... Qualquer música interpretada por Zé Ramalho já encanta com sua voz maravilhosa e macia que entra em nosso ser, percorre a alma e toca no coração... esta música, especialmente, me agrada! Juntamente com o Sepultura [nunca escondi minha predileção pelo Rock], torna-se ainda mais aprazível aos meus ouvidos!
Minha alma romanceada gosta da liberdade de voo das borboletas, que mesmo com vida tão curta, flutuam seus pequenos 'corpinhos' por onde lhes apetecem. Diria eu, da música, quero voar e dançar! Por que não dançar em um flutuar? Com o vento na face e as asas a farfalhar? Minhas borboletas tem destino certo, ilustrei-o em desenho a pouco tempo, voo imbuído pela brisa que arfam pelas asas.
E as borboletas estão invadindo!





A DANÇA DAS BORBOLETAS

As borboletas estão voando
A dança louca das borboletas
Quem vai voar não quer dançar
só quer voar, a voar
Quem vai voar não quer dançar
só quer voar, a voar

E as borboletas estão girando
Estão virando a sua cabeça
Quem vai girar não quer cair
só quer girar, não caia!
Quem vai girar não quer cair
só quer girar, não caia!

And the butterflies are invading
the apartments, cines and bars
Sewers and rivers, lakes and seas
In a "de arrepiar" twirl
Destroying windows and glass doors
Escalators and in the chimneys
They sit and "pousam" in the smog
In a rainbow if knows what it is

Se sabe o que é...Se sabe o que é...
Se sabe o que é...Se sabe o que é...

E as borboletas estão invadindo
os apartamentos, cinemas e bares
Esgotos e rios e lagos e mares
Em um rodopio de arrepiar
Derrubam janelas e portas de vidro
Escadas rolantes e nas chaminés
Se sentam e pousam em meio à fumaça
Em um arco-íris se sabe o que é

Se sabe o que é...Se sabe o que é...
Se sabe o que é...Se sabe o que é...

Se sabe o que é...Se sabe o que é...
Se sabe o que é...Se sabe o que é...

Se sabe o que é...Se sabe o que é...
Se sabe o que é...Se sabe o que é...




Ai Que Saudade D'Ocê (com Zeca Baleiro)


Algumas músicas simplesmente [como mágica] contam a história de nossa vida, outras apenas tocam em nosso coração, ou ainda gostamos do interprete e sua apresentação.
Por vários motivos esta música me toca e [que suspeito!], existem diversos outros interpretes que a conduzem tão bem, mas Zeca Baleiro faz aquilo que costumo dizer aos amigos, toca a alma e o coração, envolve todo o ser como se uma áurea de felicidade percorresse cada parte de meu corpo, cada curva inundada de êxtase e amor. 
"Ai Que Saudade D'Ocê", com execução numa performance sublime e estupenda é esta magia que descrevi!

Não se admire se um dia
Um beija-flor invadir
A porta da tua casa
Te der um beijo e partir
Fui eu que mandei o beijo
Que é pra matar meu desejo
Faz tempo que eu não te vejo
Ai que saudade d'ocê

Se um dia ocê se lembrar
Escreva uma carta pra mim
Bote logo no correio
Com a frase dizendo assim
Faz tempo que eu não te vejo
Quero matar meu desejo
Te mando um monte de beijo
Ai que saudade sem fim

E se quiser recordar
Aquele nosso namoro
Quando eu ia viajar
Você caía no choro
Eu chorando pela estrada
Mas o que que eu posso fazer
Trabalhar é minha sina
Eu gosto mesmo é d'ocê


Deliberando, Mônica Gomes.

Desenho em Vida


Atrasos
Sombras
Desenho
De
Vida
Traçada
Rascunhada
Com
Volta
E
Ida
Indo
E
Vindo
Por
Ti
Perdida
Amada
Amando
Amante
Sentimento
Sentido
Alegria
Da
Vida

Mônica Gomes


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Menina Amarela

[Bidens sulphurea]

No vazio clama só
Com a vivência nas matas
De uma beleza natural
Em grito inocente
O brilho do sol...

Olha a Menina Amarela,
Irradiando... Singela...
Mas, tão bela!

                    Soul Reflection [Anna Razumovskaya]


Quero dançar
Minha dança nova 
sem incomodar
Apenas fluir...
Quero dançar
Um canto novo
nos movimentos
Apenas confluir!

Brincando...
Mônica Gomes



quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Conjuração


Levada a vida
Sem fugas
Nem impropérios.
Assim se conjuga
Na caminhada 
Nessa estrada
No abraço
Nessa jornada
(o coração aconchegado)
Satisfaço...
O verbo amar!

Brinco com palavras! Escrevo a qualquer tempo.
Mônica Gomes

Infinito Privativo



Propriedade privada do lendário e transgressor "amor".
Sonhos mundanos eternos,
Em farpas.
Composição sóbria do afrontador...
Segmentos [s]em consequências,
Brevíssimas escarpas
Muralha Retorcida e longínqua,
Transborda dissabor.

Mônica Gomes




















terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Viver... A partir de amanhã....


Como será o dia amanhã?...
Numa imperfeição perfeita que se fez?
Como alentar
Inspirar
Aspirar?
Que hoje, o belo se fez?

Como o sol nascerá amanhã?
Como os olhos abrirei?
A noite, como fechar os olhos,
Tamanha façanha se faz,
Sabendo que o hoje não existirá jamais?


Como inalar tamanha sina?
Concebendo em tempo algum?
Ah... Incalculável tempo...
Insiste em ritmo nalgum,
Lapso de tempo, contratempo?

Mônica Gomes, incorrigivelmente eu.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

"O Homem de La Mancha" - O Cavaleiro da Triste Figura

Justo agora que tinha tomado uma decisão!
Devo dizer que o universo conspira...



Fui assistir, no teatro Sesi/SP, “O Homem de La Mancha” com tamanha expectativa, sem igual... Afinal, um dos personagens que mais amo na literatura, versão e direção de Miguel Falabella, só poderia acrescentar mais e mais ao meu pequeno conhecimento humano. Chorei rios!

“O maior pecado do mundo é ver a vida como ela é e não como deveria ser!”, frase do protagonista, Dom Quixote, o homem louco, visionário, que recria o mundo, enxergando nobreza onde não há.
O inusitado espetáculo já surpreende na escolha do cenário, um hospício, onde as mais variadas emoções nos envolvem nas horas que ali passamos, todas as mais grandiosas aventuras ocorrem dentro de um hospício, lugar que se transforma e nos leva para dentro do palco. A transformação que ocorre ali, na nossa frente do “cavaleiro da triste figura”... Estupendo!

Mas, não vim aqui contar o incontável!... Inconcebível seria tal proeza. Assistam!


Quem me acompanha me conhece e sabe meu ideal romanceado. (Sim, este ideal redundantemente idealista!) Minha visão transformada, minha teimosia em querer enxergar o que é bonito!

Um dia antes havia tomado a decisão de me esforçar ao máximo para mudar isso e transformar meu “coração” mole e visionário, que vê beleza por onde passa! Então... Me acontece “O homem de La Mancha”, o maravilhoso cavaleiro, que toca meu coração e sua idealizada Dulcinéia, com seu amor e nobreza por onde quer que vá!

Enfim, me rendo, não é hora de mudanças... Um fictício personagem conseguiu adiá-la. Até quando? Não sei... Mas repito uma das frases desse tão maravilhoso espetáculo: “Cada um tem a Dulcinéia que merece.” Será "um louco sábio ou um sábio louco?"


Versão de algumas letras que tocaram meu ser:

HÁ UMA DULCINÉIA
[Padre]

Há uma Dulcinéia
Pra cada um de nós

Pois todo amor quer ter seu par

E anda aflito a procurar

Um rosto ou uma voz!
Há uma Dulcinéia
Que espera por você
Que é capaz de erguer no ar
Algum castelo a procurar
E não se arrepender!
Mas se você é um sonhador
Não tem os pés no chão!
Cuidado, pois o seu amor
Talvez seja ilusão!
Mas não há Dulcinéia
Apenas o querer
E o pulsar do coração
Que nos aponta a direção
Que devemos seguir!
Há tantas Dulcinéias
Alguém há de lhe sorrir!


E o auge, a música que me fez chorar mais de uma vez (não que as outras não fizeram)!


O SONHO IMPOSSÍVEL

[Quixote]

Sonhar mais um sonho impossível
Vencer o inimigo cruel
Clamar com a voz da justiça
Manter da balança o fiel
Saber conceber o perdão
Amar e exibir seu troféu
Voar com as asas cortadas
Chegar às estrelas do céu!
Minha missão é correr atrás
Dos sonhos desfeitos que não voltam mais
Viver na ilusão de um mundo melhor
E disposto a sacrificar com fé e amor!
Eu sei, quando enfim eu me for, já cumprida minha missão
Vai calar-se sereno e fiel esse meu coração
E o mundo então vai saber
Que um homem cumpriu seu papel
Lutou com bravura e coragem
Chegou as estrelas do céu!

Com esta música fecho minhas deliberações... Pois, cada um tem o mundo que merece ter. Eu ainda quero acreditar!!!
Por ora, ainda não haverá mudanças, meu coração ainda permanecerá procurando as estrelas!

Os bastidores

Mônica Gomes, ainda, a perniciosa e incorrigível, de  olhar romanceado, procurando as belezas do mundo e das pessoas!



sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Onde Anda Você [Vinicius de Moraes]


E por falar em saudade
Onde anda você
Onde andam os seus olhos
Que a gente não vê
Onde anda esse corpo
Que me deixou morto
De tanto prazer



E por falar em beleza
Onde anda a canção
Que se ouvia na noite
Dos bares de então
Onde a gente ficava
Onde a gente se amava
Em total solidão

Hoje eu saio na noite vazia
Numa boemia sem razão de ser
Na rotina dos bares
Que apesar dos pesares
Me trazem você

E por falar em paixão
Em razão de viver
Você bem que podia me aparecer
Nesses mesmos lugares
Na noite, nos bares
Onde anda você

Loucura Insana


Toda loucura insana
A mais fácil definição
Aos que ficam de campana
Mais compreensível declaração...

Não compreendem o assunto
Digam palavras em vão
Formam um belo conjunto
Aos apedeutas de plantão.

Sejamos corretos, é crédulo?
Afirmar com tamanha determinação
Palavras digeridas. Édulo?
Crível? Ser humano com sua limitação.

Somos todos apedeutas
Quando de outro falar,
Histórias só são perfeitas
Se paradoxal amor constatar.

Mônica Gomes
Fotografia: Lucas Silva Melo
"Ensaio de Luz e Sombra"

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Coração Cinza (Animação da Pixar - Day & Night)


Nuvens pairam e chove
Cinza se torna o dia.
Será que o dia tem emoções?
A noite diz para o dia, algo que o magoe e o dia se entristece e chora?
Ou será que, por vezes, noite e dia, dizem palavras atravessadas e choram os dois?
Será que o tempo é insano e não sabe ser feliz?
Procura motivos irregulares para abastecer sua dor?
Será que dia e noite misturam-se em sentimentos sem fim?
Sei que chove, e está cinza!



O coração está cinza?



Day & Night é um curta-metragem de animação da Pixar dirigida por Teddy Newton. foi empacotado para ser exibido nos cinemas antes do longa-metragem da Pixar Toy Story 3 e está presente no Disney Blu-ray e Disney DVD deste mesmo filme.




Mônica Gomes


domingo, 15 de fevereiro de 2015

Entre ventos e infinito.

Ocupo um lugar no espaço…
Deito / Durmo / Levanto.
[...]
Deito / Durmo / Levanto.

Mas, por vezes... Ah! Por vezes voo!!!

Meu espaço fica muito mais amplo...
Surgem asas adejantes,
Que não param um instante.
Voo pelos cofins do tudo,
Voo nas alturas do nada,

Respiro o ar, inspiro.
Voo mais alto!
Contra toda a lei da física,
Mais ar encontro, com mais elevado voo.
Extraordinário vento percorre minha face,
O vento canta entre meu corpo,
Desloca-se o vento em minhas asas...
(tão minhas asas)

Infinito só meu,
Voo na liberdade do vento,
Envolvendo-me em curvas e sussurrares.
Meus sonhos, um canto livre na liberdade de voar.

Eu, Mônica Gomes, voando e voando!





sábado, 14 de fevereiro de 2015

Entre borboletas, poeira e vento.

Entre paixões
Que definem
Entre amores reais
Lindos dias atinem!
Sentimentos pessoais,
Um sentimento... Um amor... Concernem.
Neste peito, ademais...

...Num coração, duas almas se unem
Com grandes ideais!!!
Título: Entre borboletas, poeira e vento.
Criação: Mônica Gomes




As borboletas...

(Arte Digital: Mônica Gomes)


Aquelas borboletas...
Sim, aquelas que no estômago voavam!
Por ventura obsoletas
Procura d'um destino, vagueavam!

Outrora cheias de facetas
Com asinhas tilintavam
Dissimuladas, afetas
Sentimentos permeavam.

Voaram... Metas abjetas...
Destino encontraram
Migalhas e bagatelas
Refugio atinaram.

Onde borboletas burlescas?
Onde foi que pairaram?

















Sonhando, sonhando... Voando, voando...
Eu, Mônica Gomes.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Justiça no Amor

Existe justiça no amor?
Raridades, muito esparsas… Como as águas em nossas torneiras (em São Paulo) podem acontecer. Não tenho a pretensão de deseludir ninguém. Nem a mim!

Mas... (infelizmente) o amor nunca foi justo. Pode se passar décadas, adiantar ou retornar nos séculos afim, nem assim, encontraremos justiça no amor.


Podem existir histórias de amor lindas, mas nunca justas. Diz-se da justiça: “Justiça é um conceito abstrato que se refere a um estado ideal de interação social em que há um equilíbrio razoável e imparcial entre os interesses, riquezas e oportunidades entre as pessoas envolvidas em determinado grupo social.”

Alguém aqui, você que está lendo estas palavras, pode afirmar ou negar o que digo?...


O Amor nunca foi justo!
Nunca será justo!
Embora estejamos sempre dispostos a amar.


Pronunciem-se. Indago: Existe justiça no amor?





Certa... Errada?
Não importa! Não existem verdades absolutas.
Eu, Mônica Gomes, continuo acreditando no amor.

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Sonho ao acordar

(O Cavalheiro da Triste Figura - Dom Quixote de La Mancha é um livro escrito pelo espanhol Miguel de Cervantes y Saavedra)

Cansada apenas dos sonhos
Que luto, luto...
E nada se faz!

Hei Menina,
Acorde!
Tu és capaz!

(Sonho Causado Pelo Voo de uma Abelha ao Redor de Uma Romã um Segundo Antes de Acordar - Salvador Dali.)


Sonhos, aventura para voar,
Ao vento, tempérie
De forma tenaz!

Sonhe, menina sonhe!
Ondas e turbilhões.
Sonhe, tu és audaz!

Hei Menina,
Acorde!
Tu és capaz!


(O Sonho - é um óleo sobre tela, elaborado por Pablo Picasso em 1932 no seu estúdio de Boisgeloup, perto de Paris, medindo 130 × 97 cm. O quadro representa a amante de Picasso Marie-Thérèse Walter)


Mônica Gomes, eu... Incorrigível!