Efeito Caindo

Efeito Caindo

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Completamente sem título...


UMA PALAVRA POR DIA.
UMA PALAVRA POR VEZ.
SUBINDO O DEGRAU DA VIDA.
DESCER OUTRA VEZ?

"Espelho d'água"
Parque Ecológico do Tietê - São Paulo - Brasil
Mônica Gomes



Eu, Mônica Gomes, caminhando e cantando e seguindo a canção...


A mão que escreve...



Forma inegável
De inestimável solidão
Põe-me a Pensar
Foste tu que andaste ou foi o coração.



Escrevesse agora
Turbulenta deterioração
Pensamentos flutuantes,

Escreve a mão, arfa a respiração.

Eu, Mônica Gomes... Caminhando e escrevendo.




segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Fotografia, pensamentos e algumas deliberações.


Ao pensarmos em história da fotografia, podemos mencionar desde experiências de químicos e alquimistas, a contar da antiguidade.  Já se ouvia falar de um fenômeno de produção de imagens pela passagem da luz através de um orifício, com Aristóteles, na Grécia antiga, por volta de 350 a.C. Sempre atraiu o interesse de cientistas e artistas desde o seu começoOs avanços nesta área são ultra rápidos, nesta geração existem os que não conhecem a Câmera Fotográfica Analógica!


A partir de então o ser humano utiliza-se da fotografia para diversos fins. Pode ser utilizada para foto jornalismo, foto documentário, para marketing, para registro da vida cotidiana, foto arte e tantos outros fins que seria difícil listar todos sem ser injusta.

Porém, atualmente, está acontecendo um evento que já vem me chamando a atenção por um tempo, o selfie.
Hoje, nas redes sociais, quem não tem uma fotografia selfie é considerado um "alienígena" nos tempos de tecnologia e comunicação.
A mais atual notícia na área (que logo deixará de ser), como o comércio não poderia deixar de aproveitar desse mercado tão vantajoso,é o "pau de selfie"!
Agora você pode tirar fotografias de várias pessoas, de uma distância razoável,  ou mesmo num ângulo inédito sem precisar esticar seus braços... Seu braço mecânico para o narcisismo...


Comecei a pensar nos vários motivos que utilizamos a fotografia, diversas finalidades... As mais romanceadas, e as que prefiro, são o registro de um momento único e a foto artística!

Nos tempo de  cliques indisciplinado em números de disparos indiscriminados, com fotografias semelhantes, acredito que perdemos a identidade e a alma!
Sim! A fotografia capta nossa alma, o olhar do fotógrafo único e admirável!



Esta geração "pau de selfie" está perdendo este olhar!


Captura da vida, da magia, da alma, do amor, da Arte!!!!!

Eu, Mônica Gomes... Mera especuladora e... Romântica irreversível!


domingo, 25 de janeiro de 2015

Oxalá... Viveria!

(Artistic Heart - Arte Digital)


Oxalá pudesse acreditar
Tomara entrasse em qualquer lugar
Quem dera meu coração
Destarte não fosse aflito.
Desta maneira tranquilizaria
Deste modo acalmaria


Em vista disso viveria!
(Stanislav Odyagailo - Roberto Palladini)

Eu, Mônica Gomes, não sou escritora, mas gosto de palavras... Roubo muita sabedoria alheia e, vez por outra, me atrevo a brincar com a grafia e escrever tolices!
Eu... Mônica Gomes, em meio à enxaqueca.



sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Faceirice


Vida faceira
Em várias rasteiras
Torna-se ligeira
Reverte em feiticeira
No nariz, coceira
Eternamente brincadeira
De palavras verdadeiras
Cósmica poeira
Alvisse loira
Respira na fogueira
Rodando na bobeira.


Se fizesse sentido, não seria asneira!

Eu, Mônica Gomes, com vontade de "falar" palavras soltas.
A vida deve ser solta e colorida.


quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Continuo amando... II

Para mim, domingo, fecha-se um ciclo, fecha-se um ano... mais um.


Hoje, indo para trabalhar, e com a mudança de céu repentina, (fez-se noite num instante) constatei (novamente) como somos frágeis. Somos pequenos e frágeis diante da imensidão do Universo.

Dia triste para mim, fazem oito anos que perdi uma das pessoas mais importantes de minha vida, minha irmã. Aquela amiga única, querida cúmplice, linda de viver... Morreu...

Fiquei sem ela, de repente, numa fração de segundo há oito anos atrás, um médico me dizia a notícia. Lembro-me da dor como se fosse neste momento. Meu ar faltou. Meu coração parecia parar. (Não estou exagerando... Foi literal.) Minha querida, minha amada, minha linda, minha amiga não estava mais ali? Como assim?

Quem iria me ligar todas as manhãs para dizer-me bom dia? A quem iria confidenciar minhas dores, amores e felicidades?
Ela, linda mulher, e eu crescemos juntas e juntas sofremos e rimos...
E agora, como seria?

Continuei a jornada. Como doeu. Pareceu-me que iria morrer junto. Não morri. Estou aqui, oito anos depois...
Posso dizer que dói como se fosse hoje. Hoje, dia 14/01/2015, ainda vivo... Sem desespero, mas com aquele tipo de saudade que mescla a felicidade dos momentos vividos e a impotência frente ao não poder viver mais! É um misto desigual, porém constante. Acompanha-me.

Por conseguinte, agora, meus amados sempre me ouvem dizendo: “O importante é ser feliz, não percamos tempo com mágoas ou conversas atravessadas, minimizemos os problemas, simplifiquemos a vida. Se for para estressar-se não faça! Porque o importante é ser feliz!”



Saudade de ser feliz com você, minha irmã!




Saudade de um tempo ido... Onde o portão [baixinho] abrigava uma Caliandra Rosa, um perfume estonteante [sem existir], com o farfalhar das folhas que embriagava a juventude de cumplicidade...

(Um dia, em pensamentos e saudade... Da cumplicidade inerente e existente com minha irmã.)

Eu, Mônica Gomes.


sábado, 10 de janeiro de 2015

Continuo amando.


Voar feito pássaros
Anjos alados
Na vida aliados
Brincadeiras
Num dia Arteiro
Risos e cores
Manipulando cores
Cores de várias maneiras
Ideias e ideais
Imaginação voando

Continuo amando.

Eu, Mônica Gomes, resolvi ser feliz, brincando com palavras, imagens e cores!
Infelizmente, a modelo tem que ser eu... Rs! Direitos de imagens! Eu me dou.

Abraços quentinhos para todos!


sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Nos desencontros...

            Nos desencontros...

Nos dias que se seguem
Se não sentir a falta da presença
Importante não era.

Mas não neguem
O suspiro da esperança
Entretanto, esperança erra.

As horas prosseguem
Numa eterna benquerença
Aflora quimera.

Os segundos prosseguem
Expectativa contínua pertença
Imersão da ilusão susterá?


Perniciosamente, Mônica Gomes.      

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Minutos de Vida




Por vezes a vida nos prega peças. Pega-nos de surpresa e o que parecia infinito não vale muito mais que minutos. Nada é tão forte, não existem verdades absolutas. Nos ferimos facilmente e em contrapartida a alegria percorre todo o ser com força. Somos feitos de momentos.



Somos seres sensíveis e frágeis... Deveríamos vir com aqueles selinhos de “cuidado frágil”.
Na desordem da vida, só nós mesmos somos capazes de entender o frenético caminhar. 

Será que somos mesmo?
Somos capazes de dirigir nossas vidas e antever todas as minúcias que hão de vir?


Não.

Mas, para amenizar todo o caos que a vida pode se tornar de um instante ao outro, existe a memória... Memória para saber que vale a pena cada minuto vivido, cada decisão tomada e, ainda mais, memória para nos fazer fortes e lutarmos para vivermos felizes!

CUIDADO, FRÁGIL!




(Eu, Mônica Gomes, em infindáveis deliberações e meus incorrigíveis pensamentos. A visão romanceada da vida  pode trazer graves prejuízos ao coração. Mas, eu ainda persisto em acreditar na beleza da vida!)

domingo, 4 de janeiro de 2015

Hoje…

Hoje…
Amanheci com imensas vontades…
Vontade de estudar
De produzir Arte
De conversar
De amar
De ajudar.
De tudo fiz um pouco...
Não fiz nada.


Vontade de deitar
De esquecer
De fechar os olhos
Não se preocupar.
Acabar com as vontades.
 

Voltar.
Ver...
Não. Enxergar...
Puxa... Só viver.
Difícil...
Passar este momento
Voltar a viver!

Rigidez e rigor...

Um impulso de sobrevivência.

Sonhar meus sonhos.

Arte Digital: 'Mulher na chuva - recarregado' - por VincentNoir

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Sentido em caminhar



Não faz sentido
Todo esse infinito
Coração aflito
Bobo e atônito
Entra em conflito
Sonhos irrefletidos
Tornam-se nítidos
Rotina afeita
Pleonasmo obtido
Na vida faceira.
Inocente desgraceira.
Olhar de feiticeira
Coração Resiliente
Hipossuficiente
Ante tamanha atitude autocentrada e conveniente.
Âmago lesionado

Sacrificado... Decepcionado.

Eu, Mônica Gomes.

Arte: Lucas Melo (Atrapalhado por mim, num pequeno intensivo no Photoshop para criar o clima surreal)
Lucas Silva Melo:

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Mais um ano se findou… Devo dizer de lutas! Nem todas foram vencidas.



Mas... Agora, se tem a esperança de dias novinhos. Novos para as mudanças. Quem sabe um milagre aconteça e os governos (pessoas que deveriam representar, lutar e cuidar do bem estar do povo) mudem as políticas públicas e possamos viver com dignidade. Ilusão? Sei lá! Não vim aqui para pensar em política... Não hoje!


Hoje penso no ser individual que sou. Cada um tem sua experiência única. Para mim, foi um ano de muitas preocupações, pensamentos turbulentos que se chocam feito eletricidade, causando um estrondo vez ou outra.
Somos únicos e cada qual tem “Seus fantasmas, seu enredo, seu destino”, não cabe a nenhum de nós julgarmos a vida de outrem. Cabe a cada um de nós a reflexão ao que estamos fazendo de nossas próprias vidas.

Gostaria de assegurar que tudo será diferente, mas, esse ano novinho que se apresenta, traz uma continuação e os resquícios do ano que se despediu de nós.


Gostaria dizer-te agora que serei uma nova versão... Que tudo de ruim se foi com 2014, que 2015 será repleto de dias de alegria e sucesso. Que todos os problemas ficaram para trás. Não posso!

Entretanto posso afirmar: continuarei acreditando que o ser humano pode ser bom, que somos todos iguais independente de ideias e ideais diferentes, que existem atos de bondade pouco propagados pelo mundo e, principalmente e veementemente, continuarei a sorrir... Mesmo que os dias sejam difíceis, mesmo que uma nuvem negra assole minha visão, mesmo que os sonhos sejam postos por terra.
Sempre terá um novo dia, pessoas lindas que já fazem parte de meu ser e muitas a se conhecer, um céu lindo a se olhar, novos sonhos a se sonhar, novas lutas a se combater.
Continuarei num sonho real de felicidade e amor, continuarei acreditando que (somente seres únicos que somos) podemos diferenciar um dia do outro!


Portanto, felizes dias todos os dias para todos. Feliz ano Todo!!!

Eu, Mônica Gomes, incorrigível sonhadora de visão romanceada... Maleficamente contagiante de sorrisos e ideais.