Efeito Caindo

Efeito Caindo

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Provável é eu amar você!


Você me faz feliz!
Como todas as falíveis ações humanas.
Com sua presença adorável e suas adoráveis propostas,
Seu sorriso e seu olhar,
Suas palavras e inteligência.
E apesar de todo olhar intruso,
Meu olhar é para ti,
Meu sentimento e amor são teus.
Amo-te como ama o amor.
Sua presença é única,
Pois você se fez único.
Único em minha vida e coração!
A saudade já me assola...
Com um encontro improvável,

Provável é eu amar você!

domingo, 17 de agosto de 2014

DESEJO


Desejo

(esta poesia, de autoria de Sergio Jockymann, foi publicada em 1980 no Jornal Folha da Tarde, de Porto Alegre-RS)





Desejo primeiro, que você ame,e que amando, também seja amado. 
E que se não for, seja breve em esquecer e esquecendo não guarde magoa. 
Desejo pois, que não seja assim, mas se for, saiba ser sem desesperar. 
Desejo também que tenha amigos, que mesmo maus e inconsequentes, 
sejam corajosos e fiéis, e que em pelo menos num deles você possa confiar sem duvidar, 
E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha inimigos; 
Nem muitos, nem poucos, mas na medida exata para que, algumas vezes, 
você se interpele a respeito de suas próprias certezas. 

E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo, 
para que você não se sinta demasiado seguro. 
Desejo depois que você seja útil, mas não insubstituível. 
E que nos maus momentos, quando não restar mais nada, 
essa utilidade seja suficiente para manter você de pé. 
Desejo ainda que você seja tolerante; 
não com os que erram pouco, porque isso é fácil, 
mas com os que erram muito e irremediavelmente, 
e que fazendo bom uso dessa tolerância, você sirva de exemplo aos outros. 
Desejo que você sendo jovem não amadureça depressa demais, 
e que sendo maduro, não insista em rejuvenescer 
e que sendo velho não se dedique ao desespero. 

Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e 
é preciso deixar que eles escorram por entre nós. 
Desejo por sinal que você seja triste; 
não o ano todo, mas apenas um dia. 
Mas que nesse dia descubra que o riso diário é bom; 
o riso habitual é insosso e o riso constante é insano. 
Desejo que você descubra, com o máximo de urgência, 
acima e a despeito de tudo, que existem oprimidos, 
injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta. 


Desejo ainda que você afague um gato, 
alimente um cuco e ouça o João-de-barro 
erguer triunfante o seu canto matinal; 
porque assim, você se sentirá bem por nada. 
Desejo também que você plante uma semente, 
por mais minúscula que seja, e acompanhe o seu crescimento, 
para que você saiba de quantas muitas vidas é feita uma árvore. 

Desejo outrossim, que você tenha dinheiro,porque é preciso ser prático. 
E que pelo menos uma vez por ano coloque um pouco dele 
na sua frente e diga "Isso é meu", 
só para que fique bem claro quem é o dono de quem. 
Desejo também que nenhum dos seus afetos morra, por ele e por você, 
mas que se morrer, você possa chorar sem se lamentar e sofrer sem se culpar. 

Desejo por fim que você sendo um homem, tenha uma boa mulher, 
e que sendo uma mulher, tenha um bom homem 
e que se amem hoje, amanhã e no dia seguinte, 
e quando estiverem exaustos e sorridentes, ainda haja amor para recomeçar. 
E se tudo isso acontecer, não tenho nada mais a te desejar. 

sábado, 9 de agosto de 2014

Velejando pelos pensamentos, ideias e afins.

Em meio a dias conturbados de extrema felicidade e muita dor… Me coloquei a refletir.
(Como se em algum momento meu cérebro parasse de pensar e fazer suas conexões, rs!)


Somos seres privilegiados... Temos o dom do raciocínio e reflexão. Podemos escolher em que focar nosso alvo de atenção. Não vivemos para o territorialismo, muito menos para a caça predatória. Isso se torna opção para nós, seres humanos, considerado pela ciência, o mais dotado de racionalismo. Em meio à tristeza, podemos filtrar pequenas coisas que nos fazem sorrir. Sim! Sorrir sem hipocrisia! Podemos escolher viver cada momento focando em nossas vidas, dando o melhor de nós, sabendo-se que poderemos não ter o mesmo tratamento! Viver sem arrependimentos!
Costumo dizer quer sou um ser privilegiado, tenho um imã natural... Atraio para perto de mim pessoas falíveis, mas de um coração lindo! Pessoas essas que trazem felicidade à minha existência! Motivos de alegrias, mesmo em momentos de dificuldade.


Cândido Portinari, Brodósqui, 1942.


Nasci, cresci e vivo em uma megacidade – São Paulo - Brasil, com todos os atributos que este título lhe confere. Possui índices de criminalidade, crescimento demográfico, pobreza, falta de saneamento básico, poluição, violência urbana e congestionamento, dentre outros... E na medida do possível, do pequeno círculo que me confere o poder de realização, tento colaborar para que estes pontos negativos atenuem... Em contrapartida, existe Arte, áreas de preservação da Mata Atlântica, nascentes, fauna e flora absurdamente lindas... Mas, esse não é o foco desta reflexão! O fato é que em meio a tantas coisas - boas e ruins - podemos escolher dar ênfase as boas, tornar a vida de nossos amados e a nossa própria vida, aprazível... Feliz!
“Futebol em Brodósqui” – Cândido Portinari- 1935

Saber apreciar as boas risadas, olhares sinceros, a natureza... Atitudes inusitadas de bondade onde se menos espera... Caminhar por essa jornada com olhar de apreciação, humanizando-nos primeiramente, para que essa humanização possa refletir aos que estão a nossa volta! Somos responsáveis por nossa felicidade!
Por diversas vezes fui indagada: “Você consegue ser feliz vivendo em São Paulo?” Minha resposta é: Sim, sim, sim, sim e sim, quantas vezes eu for questionada. Assim como, existem pessoas que vivem em lugares inóspitos e conseguem ver felicidade em suas vidas! Pessoas simples, sem cultura formal, realizada dentro de escolas e universidades, mas que possuem uma sabedoria impossível de ser adquirida dentro destes lugares.
É exatamente disso que falo; sabedoria para viver em um mundo em que muitos apenas sobrevivem! Sabedoria para sofrer quando for o momento, mas para levantar-se em seguida e ser feliz! E viver feliz!
Viver numa sintonia de emoções que farão compreender a dimensão dos nossos sentimentos para com as pessoas e  o meio ambiente. E... Amar! Apaixonar-se... Permitir-se ser feliz!
                                                                    O Violeiro, 1899 - José Ferraz de Almeida Júnior
À todos os que, de longa data ou recentemente, contribuem para essa minha felicidade, muito obrigada!
Vivamos com a mania e a loucura de sermos felizes!
De hoje para sempre!

Costumam dizer que sorrio com os olhos, mesmo quando minha boca ainda não despontou o sorriso... E sorrio sempre! Convivo com a “enxaqueca” desde a tenra idade, herança genética e crônica, que nunca tirou o sorriso de meus lábios! E sei, com consciência plena, que existem pessoas que convivem com males muito maior que o meu... Convido todos a vencermos esse grande desafio da vida, ser feliz e fazermos feliz outrem! Trazer felicidade ao mundo. “Mundo” é exagero, uma hipérbole. Trazer felicidade ao círculo a que nos coube pertencer!

Até mais!



Espantalho, 1940 - Cândido Portinari

 Para Reflexão: Esse quadro faz parte da série de "Espantalhos", em que Portinari pinta com dramaticidade o contraste entre a seca e a miséria nordestinas com as crianças brincando e os balões no céu. Realidade brasileira através da Arte, mas poderia ser qualquer outra realidade!

Observação importante. Não ignore:

*Visão romanceada de uma professora de Artes e amante da mesma, que acredita na beleza de tudo que vê. Não leve a risca, não adote para sua vida como uma verdade incontestável... Seguir as palavras escritas aqui pode trazer graves prejuízos ao seu coração. Mas, eu ainda persisto em acreditar na beleza da vida!